Mercado imobiliário vai crescer em 2018

Números da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc)  mostram que 2017 foi sim um ano de cautela, mas ao mesmo tempo de descolamento da crise política, trazendo ainda sim um crescimento significativo para o mercado imobiliário. Em todo o País, as vendas cresceram 25,5% de janeiro até agosto em relação ao mesmo período no ano passado. Sinais como a contínua queda da taxa de juros, controle da inflação e a retomada, mesmo que tímida, do emprego elevam a confiança de empresas e consumidores e dão mais motivos para uma perspectiva muito mais otimista para 2018.

No começo de dezembro, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) decidiu, por unanimidade,  reduzir de de 7,5% para 7,0% ao ano a taxa básica de juros. Segundo especialistas do setor imobiliário, a cada corte de 1 ponto percentual nos juros básicos, a renda mínima exigida para financiar o imóvel cai de 6% a 8%. Isso significa dizer que a queda de 1 ponto percentual de queda nos juros faz com que cerca de um milhão a mais de famílias passem a se tornar elegíveis a um financiamento imobiliário de R$ 200 mil.

Expectativa

Depoimentos e análises de diretores e executivos de grandes empresas do setor imobiliário e da construção civil em Goiás endossa essa espera de um cenário mais positivo e de crescimento forte. Com 41 anos de história e parceira comercial das maiores construtoras e incorporadoras do Estado, a URBS RT comemora o descolamento da crise política e a sinalização de um crescimento forte para 2018. Para um de seus diretores, Ricardo Teixeira, manutenção, por parte do Banco Central, da política de redução de juros é o motivo para se esperar um cenário bem mais otimistas para 2018.

Para o empresário Mário Valois, diretor da Dinâmica Engenharia, construtora com mais de 30 anos de mercado, a convicção é de que haverá uma reação do setor imobiliário em 2018. “A inflação baixou e junto com ela a taxa Selic, o que gera a queda das taxas dos financiamentos imobiliários. Isso favorece a compra, aumenta a base da pirâmide”, ressalta. Ele lembra que juros baixos são mais relevantes do que aumento de salário, uma vez que favorece a compra, especialmente nesse segmento econômico. “Tivemos um PIB negativo nos últimos anos. Sempre depois de crises, vem um crescimento bacana. Isso é histórico”, pontua.

Apesar da crise, a avaliação feita pelo diretor regional da Brasal Incorporações, Thiago Galvão, é de que o ano de 2017 foi muito positivo para a empresa em Goiânia. O volume de negócios alcançou os R$ 80 milhões em vendas, só na capital, o que representa mais do que o dobro dos R$ 36 milhões que foram comercializados em 2016. “Para o próximo ano, preparamos um novo lançamento”, adianta.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s