A importância da contabilidade para as empresas do Simples Nacional

Mesmo com um regime simplificado, os empreendimentos que se enquadram nesse molde também precisam de apoio especializado

Lidar com a legislação tributária e toda a burocracia que a envolve é um dos pontos mais desafiadores de quem empreende. Com tantas leis e normais, fica difícil manter os processos legais em ordem ao mesmo tempo em que se realiza a gestão do negócio no dia a dia. Isso vale também para empresas do Simples Nacional, que incluem as categorias microempreendedor individual, microempresa e empresa de pequeno porte. De acordo com Sucena Hummel, mesmo com a simplificação dos tributos em uma única guia de contribuição (justamente a proposta do Simples Nacional), há ainda uma série de processos que devem ser mantidos.

Sucena Hummel é gestora do Sescon-GO, vice-presidente de ética e disciplina do Conselho Regional de Contabilidade de Goiás (CRGGO) e contadora. Ela destaca que é nesse cenário de emissão de notas, declaração de faturamento e pagamento de funcionário que ganha destaque a contabilidade para empresas do Simples Nacional. “É por isso que o apoio de uma assessoria especializada faz toda diferença quando falamos em uma gestão de negócios assertiva e eficaz. A partir do serviço de contabilidade, você tem mais segurança para conduzir os processos da empresa e pode se dedicar à linha de frente: fazer o seu negócio crescer no mercado”, explica.

A complexidade da legislação tributária brasileira é uma das mais significativas barreiras entre empreendedores, mesmo nesse molde simplificado. Sucena diz que é essencial contar com o apoio de um profissional especializado para algumas demandas da empresa, mesmo nesse padrão, que traz facilidades para o empreendedor. Uma dessas demandas que a contabilidade pode contribuir é o planejamento tributário. “O planejamento tributário é importante para manter a saúde financeira, reduzir custos e até mesmo planejar a expansão do negócio”, conta a especialista.

Outro serviço da contabilidade é a assessoria tributária, que dá suporte ao empreendedor quanto ao enquadramento da empresa e suas obrigações no pagamento de impostos. “Nesse sentido, a assessoria atua como um facilitador da tomada de decisão e garante que a empresa enquadrada no Simples Nacional não deixe de lado nenhum processo importante”, relata Sucena. Ela continua dizendo que empresas que optam pelo Simples Nacional também devem manter o pagamento de impostos em dia, outro ponto que o apoio especializado pode contribuir.

Segundo a contadora um benefício que pode ser mencionado, por exemplo, é automatizar o cálculo dos tributos que, se feito de forma inadequada, pode gerar multas e juros. Ela lembra que é importante ter em mente que, no Simples Nacional, os tributos são simplificados por meio de uma única contribuição: o Documento Único de Arrecadação (DAS). “A contabilidade auxilia no processo de pagamento e de outras obrigações, como é o caso da declaração anual de faturamento para quem é MEI”. A emissão de notas fiscais eletrônicas também é um recurso importante da contabilidade para empresas do Simples Nacional.

O empreendedor precisa estar sempre atento às obrigações e ao passo a passo para fazer os processos corretamente. No caso da entrada da Declaração de Informações Socioeconômicas (DEFIS) e da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) o apoio de uma empresa de contabilidade se torna fundamental para evitar qualquer tipo de erro e, por consequência, o pagamento de juros e multas. Sucena Hummel finaliza enfatizando que para as empresas do Simples Nacional existe a vantagem da contabilidade online. “As razões para investir no digital englobam a redução de custos por meio da automação, simplificação de processos, facilidade no acesso aos dados e segurança no armazenamento dos dados”.

Sucena Hummel, a gestora do Sescon de Goiás

O que é o Simples Nacional?

Simples Nacional é um regime tributário facilitado e simplificado para micro e pequenas empresas. Ele permite o recolhimento de vários tributos federais, estaduais e municipais em uma única guia. A alíquota é diferenciada, variando de acordo com o faturamento, que é separado em faixas de faturamento, até a receita bruta anual de R$ 4,8 milhões – limite que entrou em vigor em 2018 em atendimento à Lei Complementar nº 155. Antes do Simples, pequenos negócios pagavam impostos federais, estaduais e municipais por meio de guias e datas separadas. As alíquotas eram também menos favoráveis, por vezes proporcionais às aplicadas a grandes empresas.

Esse regime deu fôlego a empreendedores de diversos setores, que até então aderiam ao Lucro Presumido ou Lucro Real. Desde 2007, mais segmentos foram incorporados à lista de atividades e segmentos autorizados a aderir ao regime simplificado de tributação. Dois anos depois, com a criação do MEI (Microempreendedor Individual), houve um novo esforço de simplificação, agora para formalizar negócios tocados por autônomos, com até um funcionário. Dentro da Lei Complementar nº 123/06, o Simples também é chamado de Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

Além da unificação dos tributos, o Simples Nacional se destaca como fator de desempate para empresas que concorrem a licitações do governo e facilita o cumprimento de obrigações trabalhistas e previdenciárias por parte do contribuinte. Para optar pelo Simples Nacional, as microempresas e empresas de pequeno porte devem estar isentas de débitos da Dívida Ativa da União ou do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de cumprir outros requisitos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s