Como fica o pagamento do 13º salário na pandemia?

De acordo com Edson Cândido Pinto, presidente do Sescon Goiás, o 13º deverá ser pago integralmente mesmo nos casos de redução de jornada, salário e suspensão de contrato

Desde o mês de março, além de uma crise sanitária, a econômica também se instalou no Brasil, devido a pandemia pelo novo Coronavírus. Isso gerou situações que pegou empregados e empregadores desprevenidos, e as relações empregatícias foram obrigadas a tomarem novos rumos. Entre essas mudanças está a suspensão de contratos e a redução de jornadas e salários, o que refletiu no pagamento do 13º salário, que tem despertado dúvidas.

Por que esses questionamentos agora? Porque a Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) estabelece que o pagamento extra deve ser pago em duas parcelas. A primeira, que é de maior valor, pode ser depositada desde fevereiro até 30 de novembro, sendo que na maioria dos casos, o pagamento é realizado na data limite. O valor a ser pago pode chegar a metade do salário vigente, caso o trabalhador tenha exercido suas atividades no ano inteiro.

Segundo a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, apesar dos pagamentos do auxílio emergencial, as datas de depósito do 13º não serão alteradas em 2020. Sendo assim, a segunda parcela do 13º salário deve ser depositada pelo empregador até o dia 20 de dezembro. O valor a ser pago é menor, uma vez que serão descontadas as contribuições sociais, tais como Previdência Social, Imposto de Renda e pensão alimentícia.

O presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis (Sescon-GO), Edson Cândido Pinto, diz que o 13º salário deve ser pago integramente para quem teve a jornada de trabalho reduzida em função da pandemia. “Segundo a nota técnica divulgada pelo governo, o benefício natalino deve ser calculado com base na remuneração integral do mês de dezembro, sem influência das reduções temporárias de jornada e salário”, explica.

Ele continua: “O pagamento integral vale mesmo que, em dezembro, o funcionário esteja recebendo remuneração menor em função da jornada reduzida”. No caso dos contratos suspensos, o período em que o funcionário não trabalhou não será considerado para o cálculo do 13º, a não ser que ele tenha prestado serviço por mais de 15 dias no mês. Neste caso, o mês será considerado para o pagamento do benefício.

Ou seja, trabalhador com redução de jornada recebe integralmente o benefício, equivalente à remuneração de dezembro (sem considerar a redução). Já para o trabalhador que teve o contrato suspenso o cálculo é feito sobre o salário de registro, relativo a dezembro. Porém, são computados apenas os meses trabalhados, sendo 1/12 de salário por mês trabalhado. São considerados meses trabalhados aqueles em que a pessoa trabalhou pelo menos 15 dias.

Segundo Edson, a nota técnica foi criada para guiar emoresários, empregados e contadores nesses novos rumos que os vínculos foram tomando. Embora não tenha força de lei, a sugestão deverá ser seguida pelas empresas, salvo aquelas que desejam levar à justiça essas questões mal resolvidas. “Ela servirá de norte orientativo para os órgãos de fiscalização das relações do Trabalho”, aponta.

Como calcular o 13º em 2020?

O presidente do Sescon Goiás explica que caso um trabalhador teve o contrato suspenso por quatro meses, sem trabalhar ao menos 15 dias no mês, e com salário de R$ 2.000 no mês de dezembro, deverá receber R$ 1.333,33 como 13º. Caso tivesse trabalhado os 12 meses do ano, esse valor seria de R$ 2.000. A conta do valor efeito é feita dividindo o salário integral (R$ 2.000) por 12, e multiplicando pelo número de meses efetivamente trabalhados (a partir de 15 dias de trabalho).

“Se a suspensão começou, por exemplo, em 1º de abril e foi até 30 de maio, o funcionário deixou de trabalhar dois meses inteiros e, por isso, esses meses não contam. Mas, se a suspensão começou dia 20 de abril, o funcionário trabalhou 19 dias naquele mês, então este mês conta, porque ele trabalhou mais que 15 dias”, revela.

O presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis de Goiás (Sescon-GO), Edson Cândido Pinto

Férias

A mesma regra vale para as férias. A nota técnica define que os períodos de suspensão do contrato de trabalho não serão levados em conta para o período aquisitivo de férias. Assim, o trabalhador terá direito às férias somente após completar 12 meses de trabalho. Já a jornada reduzida não deve ter impacto sobre o pagamento da remuneração e adicional de férias.

A Secretaria do Trabalho informou que a nota técnica foi publicada devido aos questionamentos diários que recebeu sobre o assunto. “Não se mostra razoável não emitir um direcionamento claro à sociedade, considerando que a ausência de posicionamento causa insegurança jurídica no planejamento dos empregadores sobre os cálculos que devem observar”, diz na nota.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s